NEURODIVERSIDADE

Você é neurodiverso, sabia?

Todos somos neurodiversos. Cada pessoa é única e diferente. Nossos cérebros também são.

Algumas pessoas têm um desenvolvimento atípico, destoando dos padrões de “normalidade” estabelecidos: os neurodivergentes.

O conceito de Neurodiversidade foi criado há alguns anos pela autista australiana Judy Singer ao escutar sua mãe lhe perguntar “why can’t you be normal for once in your life?”

O termo surgiu da reflexão provocada por esta pergunta e vê o autismo sob o prisma da diversidade, defendendo que as diferenças entre as pessoas são normais e inerentes à condição humana.

Esta nova postura ganhou a adesão entusiasmada de muitos autistas, em especial aqueles com maior desenvolvimento social e intelectual que transformam a ideia em um movimento. Rejeitam tratar o autismo como uma patologia, o vendo como parte de sua identidade e não uma doença à espera de uma cura.

O que a neurodiversidade busca?

Os ativistas do movimento pela neurodiversidade opõem-se à aplicação do modelo médico de deficiência ao autismo e sua busca de cura. Rejeitam a ideia de cura assim como tratamentos que busquem a “normalização”, pela eliminação de características individuais.

Advertência: Rejeitar o modelo médico ou a ideia de cura não significa rejeitar tratamentos médicos que busquem dar melhores condições de vida a quem está no espectro autista.

Os “autivistas” desejam que a utilização de recursos públicos priorize políticas públicas de inclusão e apoio às famílias de autistas.

A neurodiversidade tira o foco da cura e o coloca na inclusão e cuidado.

Ao rejeitar o modelo médico e aplicar o pensamento do modelo social de deficiência ao transtorno do espectro autista(TEA), o modelo da Neurodiversidade propõe que o tema seja considerado uma questão social e não individual. Assim, centram sua militância na remoção das barreiras que impedem sua participação na sociedade e exigem a criação de políticas públicas neste sentido.

Por fim, é importante falar em protagonismo e direitos humanos. O protagonismo está no lema nada sobre nós sem nós. Essas palavras reivindicam a participação das pessoas com deficiência nos fóruns de discussão e de formulação de políticas públicas que influenciem em suas vidas.

Os direitos humanos aparecem em reação aos diversos tratamentos, muitas vezes violentos e humilhantes, utilizados na busca da “cura”.

Quem se opõe à neurodiversidade?

A neurodiversidade encontra opositores entre os defensores do modelo médico. Nesse modelo, a deficiência (e o autismo) são vistos como uma questão de saúde, onde o saber e a pesquisa médicos ocupam papel central. O foco são as terapias, sendo todas as demais circunstâncias consideradas secundárias.

A emergência desse ativismo gerou inúmeros conflitos com os pais de autistas. É inegável que essas organizações colocaram o TEA em evidência, conscientizando a sociedade. Sua atuação primou pelo apoio e a busca de financiamento de pesquisas científicas que buscam a cura do autismo.

Um dos conflitos justamente se d[a pelo confronto de prioridades: a exigência de políticas públicas pelos adeptos da Neurodiversidade e o estímulo ao financiamento das pesquisas médicas por associações de pais como a Autism Speaks.

Lugar de fala

A pergunta quem fala em nome dos autistas? também gera acalorados debates.

Tanto autistas e pais veem a si mesmos como os porta-vozes do autismo. Muitos pais, principalmente aqueles com filhos com déficit intelectual e/ou comunicacional se definem como a “voz” dos seus filhos. Nesse debate, defendem que seus filhos constituiriam o “verdadeiro autismo” acusando os “autivistas” de ser uma minoria dentro do espectro.

Esses pais também reivindicam uma espécie de monopólio do sofrimento desconsiderando ou minimizando as limitações e barreiras daqueles que têm maior inteligência e capacidade de comunicação e expressão que seus filhos.

Para os militantes pela neurodiversidade, os pais e mães de autistas falam em seu nome próprio como pais e mães de pessoas que estão no espectro. Para eles, não falam em nomes de seus filhos pois somente autistas podem falar em nome de outros autistas. Igualam essa situação a pessoas brancas falando sobre negritude e racismo e silenciando os negros.

Fonte: https://www.linkedin.com/pulse/neurodiversidade-marcos-weiss-bliacheris/


Por Marcos Weiss Bliacheris

Advogado da União. Palestrante e ativista pela sustentabilidade e inclusão.

 

2 comentários sobre “NEURODIVERSIDADE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s